Monthly Archives: Março 2012

Às 5ªs Falamos de BD

Mais logo, no CNBDI (Amadora), decorre a edição de Março do Às Quintas Falamos de BD, desta vez homenageando António Velez a partir do seu trabalho com as construções de armar. É às 21h30.

Debate: o balanço de Bolonha

Amanhã, pelas 11h00, na livraria Pó dos Livros, debate-se a Feira de Bolonha e a presença portuguesa no maior certame dedicado ao livro de vocação infantil. Carla Maia de Almeida, Eduardo Filipe, Francisco Vaz e André Letria contam como foi a Feira de Bolonha, e eu modero.

Workshop de Ilustração

Qual a melhor forma de elaborar uma proposta para um livro ilustrado infanto-juvenil? Como apresentá-la e abordar uma editora? Como promover o seu portfólio de ilustração no mercado? Estes serão os temas do próximo workshop de ilustração orientado por Richard Câmara, na Faculdade de Belas-Artes. Inscrições aqui.

A Monstra está de volta

Hoje começa a 11ª edição da Monstra – Festival de Animação de Lisboa.

Este ano o país convidado é a Alemanha e, como nas edições anteriores, continuam as competições de filmes, as exposições, a formação (com vários workshops), os espectáculos e a Monstrinha (dedicada aos mais novos).

De 19 a 25 de Março
Todas as informações em http://www.monstrafestival.com/

Feira Internacional de Bolonha

Começa hoje a maior feira de venda de direitos na área do livro infantil e juvenil, este ano com Portugal como país em destaque.O site geral do evento mora aqui e apresenta com detalhe os programas diários, os vencedores dos prémios anuais e todas as notícias relevantes da Feira.

No site Como as Cerejas, a participação portuguesa é acompanhada a par e passo, com notícias, entrevistas e os perfis dos ilustradores, escritores, editores, designers e outros elementos da ‘comitiva’ portuguesa em Bolonha. Até ao próximo dia 22, quem não pode ir a Itália pode sempre acompanhar estes dois sites para não perder pitada.

Coisas destas merecem festejos

É muito fácil adjectivar livros com grandes qualidades, fazendo esquecer que o essencial nunca está no facto de o livro tal ser ou não ser um monumento, um portento, uma obra inesquecível, mas antes no que concorre para que tais adjectivos não soem apenas a conversa oca para enfeitar badanas e contra-capas. O livro que aí vem é, de facto, um monumento, um portento, uma obra inesquecível, e o facto de isso não vir escrito na contra-capa só facilita o trabalho mais necessário, o de ler sem o peso da referência incontornável para descobrir uma obra que há-de ser, sim senhora, referência para o século XXI, quando um dia se fizerem aquelas listinhas canónicas que entretêm muitos serões. Nessa altura, as pessoas letradas em geral já terão descoberto que o facto de Persépolis ser um livro de banda desenhada não lhe retira (nem acrescenta) méritos artísticos, narrativos ou estéticos e olharão para o início do nosso século como o período que, entre outras coisas igualmente relevantes, viu nascer uma obra deste calibre. Agora, senhores livreiros, esqueçam a ideia de colocar Persépolis ao lado do Wolverine ou do Tintim e experimentem colocá-lo em destaque, ou junto aos grandes romances, ou na vizinhança que une harmoniosamente a biografia, as memórias, a ficção e as viagens. Os leitores vão perceber (e, desconfio, agradecer).

Persépolis, de Marjane Satrapi, vai ser finalmente editado em português, numa versão integral com o carimbo da Contraponto. Chega às livrarias no início de Abril.

Jean Giraud/Moebius (1938-2012)

Morreu Jean Giraud, um dos autores mais prolíficos da banda desenhada europeia e dono de um alter-ego igualmente reconhecido, Moebius. A notícia vem no Le Monde.


Jean Giraud em entrevista a Frédérique Grolleau


Jean Giraud, Claire Bretecher, Jean Gotlib e Philippe Druillet no programa Tac au Tac (1975)