Recortes: AAVV, Destruição – Bandas Desenhadas Sobre Como Foi Horrível Viver Entre 2001 e 2010, CCC

Antes de mergulhar no ‘No Future’ que este volume apregoa, importa alinhá-lo na sua própria herança. As antologias de banda desenhada da Chili Com Carne começaram com o portento que é Mutate & Survive, em 2001, e prosseguiram com Massive (2009) e Crack On! (2009, em parceria com a Forte Pressa e o Festival Crack!), sempre numa linha editorial que foge do consenso do nosso pequeno mercado de bd e se dirige, sem inseguranças, para a procura de experimentações mais radicais, abordagens multidisciplinares e construções que não têm como comparar-se, para o bem ou para o mal, com aquilo que se vai editando entre a linha franco-belga e os comics norte-americanos (agora também com uma aproximação à mangá mais comercial).

Em Destruição, o repto da editora foi claro: procuravam-se trabalhos de autores com pouca ou nenhuma experiência de publicação, em torno da ideia apocalíptica e desesperançada do início dos anos dois mil. Responderam dezassete, nascidos entre 1978 e 1990, oriundos dos fanzines de pequena circulação e de projectos pouco conhecidos, o que resultou num volume que é, também, uma radiografia à novíssima banda desenhada de autor. Digamos, para situar os incautos, que se este fosse um volume de poesia, continuaria a vender pouco, mas teria honras de aparição nos suplementos culturais numa tentativa de aferir os mais recentes rasgos da criatividade nacional. Sendo banda desenhada, não chegará a tanto, mas quem quiser fazer o exercício por si não sairá defraudado.

Reflexões sobre o presente, entre o poder dos media e o entretenimento como realidade, delírios político-futuristas envolvendo o Papa e nazis tresloucados, instantâneos do quotidiano ou distopias marcadas por pestes e pragas de vária ordem, as narrativas desta Destruição oscilam entre a estética mais crua do fanzine despreocupado e a procura de um rigor (da mise en pâge à estrutura narrativa, passando pelo traço e pela composição) que equipara este volume ao que de mais interessante se vai produzindo pelo mundo no que à bd diz respeito. Entre as influências mais óbvias (Charles Burns ou Mike Diana) e a definição de caminhos seguros, esta antologia podia ser uma mensagem contra a esperança no futuro – e queria sê-lo, cumprindo a herança punk e fanzinesca onde se inscreve – mas acaba por ser uma bolsa de oxigénio na modorra de um mercado que arrisca pouco, ganhando menos.

Sara Figueiredo Costa
(publicado na revista Ler, nº101, Abril 2011)

One response to “Recortes: AAVV, Destruição – Bandas Desenhadas Sobre Como Foi Horrível Viver Entre 2001 e 2010, CCC

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s