Recortes: Antón Fortes & Joanna Concejo, Fumo, OQO

Não é demais insistir na falaciosidade que se esconde no conceito de ‘livros para crianças’, aglutinando tudo o que tenha texto e imagem como se a curta sapiência dos mais novos não tolerasse mais do que ‘bonecos’ e como se a a cultura dos mais velhos não se dignasse a ler imagens. A mais recente edição da OQO corre o risco de ser ignorada graças a esse preconceito duplo: por um lado, não é um livro imediatamente recomendável para todas as crianças, por outro, a sua construção depende tanto do texto como das imagens, o que afastará boa parte dos adultos. E no entanto, trata-se de um livro merecedor de todos os destaques e de uma leitura sem as baias da ‘idade recomendada’.

Levada para um campo de concentração, a criança que narra Fumo estrutura as suas impressões a partir do universo que lhe é familiar, onde não se vislumbra o edifício do horror com toda a crueza com que se afirmou nos campos de morte nazis. Não se trata, no entanto, de uma narrativa que filtra o caos a partir do engano, convertendo-o numa encenação (ao jeito do filme de Benigni que levou tantos espectadores às lágrimas); o narrador de Fumo não é poupado ao que vê e vive, mas a crueza do que o rodeia é interpretada a partir da infância que ainda não lhe foi totalmente roubada, como se percebe, por exemplo, na imagem em que a mãe, de cabelo rapado, sorri sobre um fundo florido depois de ter avistado o seu marido. A narrativa de Fumo equilibra a extrema fragilidade de um olhar infantil, dividido entre a inocência enternecedora e a cruel percepção da morte, com a brutalidade dos acontecimentos que descreve, e que culminarão à entrada das câmaras de gaz.

A concisão do texto e a sua relação intrínseca com as imagens, belíssimas composições onde predominam os tons sépia e um uso parcimonioso da cor, definem uma narrativa visual/verbal que regista, na primeira pessoa, uma experiência dolorosa, transportando, por sinédoque, a experiência dos milhões de pessoas que passaram pelos mesmos campos, pelas mesmas atrocidades. Nenhuma viveu o mesmo, e todas o viveram, mesmo que só o narrador de Fumo tenha visto dragões onde os outros viram corpos enforcados.

Sara Figueiredo Costa
(texto publicado no Expresso, suplemento Actual, 23 Jan. 10)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s