Monthly Archives: Setembro 2011

Recortes: Javier Sáez Castán, O Lanche do Senhor Verde, Orfeu Negro

Há poucas coisas tão falaciosas como a ideia de simplicidade. E quando associada a outra falácia, a dos ‘livros infantis’, para além de falaciosa a ideia torna-se imprecisa. A narrativa de O Lanche do Senhor Verde assume esse risco, que não é exactamente um risco que afecte a fruição, na medida em que a depuração pictórica e a acuidade estética deste livro se sobrepõem a qualquer razia didáctico-pedagógica que se lhe queira colar. A linearidade com que se pode resumir o convite para lanchar que o Senhor Verde endereça a outros cinco Senhores, cada qual com a sua cor, e a descoberta colectiva que os cavalheiros fazem de um mundo polícromo, muito mais rico do que o mundo monocromático que cada um habita, contrasta com a miríade de pormenores, uns mais notórios, outros mais subtis, que transformam esta história num edifício gráfico-narrativo poderoso, capaz de aspirar à representação total do mundo sem nunca fugir da história individual que pretende contar.

O trabalho pictórico do autor, em diálogo visível com os universos de Magritte (imediatamente reconhecíveis no perfil das personagens, mas igualmente no uso da cor, da perspectiva e das linhas de fuga), coloca problemas nada simples, questionando a percepção humana e a sua necessidade de compartimentar aquilo que entende por real. Que o faça sem beliscar a legibilidade e a linearidade narrativa só confirma a grandiosidade do trabalho de Sáez Castán, que já conhecíamos como co-autor (com Miguel Murugarren) de um outro livro muito recomendável, igualmente da Orfeu Negro, Animalário Universal do Professor Revillod. Os ‘livros infantis’ podem ser uma falácia na sua designação, para não falar das suas possíveis definições e respectivas aplicações, mas se todas as infâncias convivessem com livros deste calibre o mundo seria, arrisco, um lugar muito mais interessante.

Sara Figueiredo Costa
(versão integral do texto publicado no Actual, Expresso, Set. 2011)

Leituras do dia II: Entrevista com Craig Thompson

No site do El Cultural, Craig Thompson fala do seu mais recente livro, Habibi, editado em Espanha pela Astiberri. Para ler aqui (e aqui, para quem quiser ler os primeiros capítulos de Habibi).

Leituras do dia I: Roteiro da ilustração portuense

No P3, o novo projecto informativo do Público, traça-se o percurso pelos pontos mais importantes da ilustração no Porto. Galerias, livrarias, escolas e pontos de encontro, vem tudo no mapa. Para ler aqui e acompanhar nos próximos dias.

1ªs Conferências de Banda Desenhada em Portugal

Começam amanhã e a entrada é livre. Programa completo aqui.

Canitos

T-Shirts em serigrafia, da autoria de Teresa Câmara Pestana (o caniche, acreditamos, não está à venda). Encomendas aqui.

A Conquista de México

Leituras do dia

Na edição do Babelia de sábado passado, Álvaro Pons assina um artigo sobre a chegada do movimento 15 de Março à banda desenhada, referindo várias publicações recentes que assumiram o tema como central. Para ler aqui.

Conferências de Banda Desenhada

O programa das 1ªs Conferências de Banda Desenhada em Portugal já está definido. A lista das comunicações apresentadas, os temas que serão discutidos e os convidados internacionais (David Kunzle e Thierry Groensteen) podem ser conhecidos aqui.

Poulet aux Prunes no ecrã

O livro de Marjane Satrapi, publicado em 2004, está a chegar ao cinema, numa adaptação feita pela autora e por Vicent Paronnaud (responsáveis pela versão cinematográfica de Persépolis).